Agradecimento

Nossos agradecimentos as secretarias de cultura das cidades onde tivemos o imenso prazer de ir, conhecer e participar de eventos tão agradáveis e gratificantes...foi um prazer poder visitar lugares como estes, conhecer um pouco o seu povo, a sua história e também poder participar de eventos comemorativos, poder mostrar a todos o quanto gostamos,e aos internautas e para aqueles que ainda não conhecem estas lindas cidades irei postar fotos..., fica ai a sugestão para um bom passeio.

Vale conferir pessoalmente, ok?

sábado, 31 de dezembro de 2011

Guapimirim - RJ


O nome "Guapimirim" tem sua origem em um acampamento de índios que viviam em torno de uma nascente na região do Vale das Pedrinhas. A tradução de Guapimirim quer dizer: "pequena água de aguapé", através da junção dos termos tupis awa'pé ("aguapé"), 'y ("água") e mirim ("pequeno"). O rio que deu nome ao município era por onde as tropas passavam, levando mercadorias para o sertão das Minas Gerais, de onde traziam ouro e pedras preciosas.
Guapimirim se emancipou do município de Magé em plebiscito realizado no dia 25 de novembro de 1990, data festiva em que o município comemora sua emancipação política. O primeiro prefeito de Guapimirim foi Nelson Costa Mello, o Nelson do Posto.




Os primeiros registros sobre a cidade datam de 1674 e citam um povoado às margens do Rio Guapimirim, abençoado pela Igreja de Nossa Senhora d'Ajuda. No final do século XVIII, surgiu o povoado de Santana, que ficava no caminho das tropas que ultrapassavam a serra, levando-os pelas trilhas sertanejas para as Minas Gerais. Nessa época, eram comuns as pestes sucessivas. O cemitério de Santana foi construído nesse período e, até hoje, serve à cidade.
Foi também nessa época que surgiu o povoado da Barreira – a origem desse nome deve-se ao fato de ali ter sido instituído o primeiro pedágio – onde está localizada a Igreja de Nossa Senhora da Conceição (1713) e a antiga sede da Fazenda Barreira que, hoje, abriga o Museu Von Martius, em homenagem a Frederik Von Martius, naturalista alemão que estudou a flora e a fauna da região a convite de dom Pedro II. Na época da Guerra do Paraguai, o imperador hospedou-se no local, interessado em avaliar as plantações da quina calisaia de onde se extrai o quinino, medicamento que combate a malária e que seria utilizado pelo exército brasileiro.




Em 1939, o então presidente brasileiro Getúlio Vargas criou o parque Nacional da Serra dos Órgãos e a fazenda Barreira foi incorporada ao patrimônio ambiental da União.
As últimas décadas do século XIX foram marcadas pela construção da estrada de ferro Teresópolis. Esta ferrovia marcou o momento de transformação do município para os tempos modernos. A população, em sua maioria, era formada de lavradores e ferroviários. Com a construção da rodovia BR-116 (1958), o transporte ferroviário entrou em decadência. O advento da rodovia facilitou o acesso à serra e foi fator preponderante na intensificação do processo de ocupação. A partir dessa década, surgiram os condomínios com suas luxuosas casas de veraneio.
Sua abundância em atrativos naturais faz do município uma promissora área turística. Guapimirim se encontra hoje inserida em uma das regiões turísticas do Estado do Rio de Janeiro, a região da Serra Verde Imperial, junto com os municípios de Petrópolis, Teresópolis,Friburgo, Magé, São José do Vale do Rio Preto, Três Rios, Comendador Levy Gasparian, Areale Cachoeiras de Macacu.




Guapimirim localiza-se num vale cercado pela Serra dos Órgãos, na base do pico Dedo de Deus, importante símbolo turístico do Estado, que se localiza dentro da área territorial do município. Em Guapimirim se encontra uma das áreas mais preservadas da Mata Atlântica do Estado. Guapimirim tem uma característica peculiar: setenta por cento do seu território encontra-se em área de proteção ambiental. São cinco áreas que compõem uma riqueza de biodiversidade em fauna e flora. A região de Guapimirim abrange a área de manguezal mais preservada do estado, conhecida como Pantanal Fluminense.




Fonte da Pesquisa: Wikipédia, a enciclopédia livre.



Nenhum comentário:

Postar um comentário